BIOPOLÍMEROS DE ALGINATO ADITIVADO COM RESÍDUO DE CENOURA: CARACTERIZAÇÃO FÍSICO-QUÍMCA E ANTIOXIDANTE

Resumo:

Atualmente, um dos grandes problemas enfrentados pela sociedade mundial é o descarte indevido de embalagens não biodegradáveis no meio ambiente. Para minimizar esse grave problema, novas tecnologias e produtos vêm sendo desenvolvidos, isto é, a elaboração de materiais biodegradáveis quando descartados no meio ambiente. A utilização de biopolímeros formados por polímeros incorporados de compostos naturais, que conservam o alimento, mantendo a qualidade, aumentando a vida útil do produto, a proteção e inibição de compostos indesejáveis, vêm ganhando destaque como materiais de grande potencial para aplicação como revestimentos protetores comestíveis. O objetivo deste trabalho foi caracterizar físicoquimicamente biopolímeros de alginato aditivados com extrato de cenoura (Daucus carota, L.), conferindo-lhes atividade antioxidante. Estes foram obtidos pelo método casting utilizando a proporção de 1:1 (água:cenoura). Na obtenção dos filmes utilizou-se Delineamento Composto Central Rotacional, com 11 ensaios, variando a concentração de alginato e extrato de cenoura, tendo como respostas, umidade, espessura, solubilidade, permeabilidade ao vapor de água e carotenoides totais. A incorporação do extrato de cenoura aos filmes de alginato proporcionou um aumento na capacidade antioxidante destes, sem significantes alterações das características físico-químicas, tendo assim, potencial para utilização como filme com característica antioxidante.

Autores: Nilton França Gonçalves  ; Thamires Thaise Silva dos Santos ; Louryval Coelho Paixão ; Mikele Cândida Sousa de Sant’Anna ; Djavania Azevêdo da Luz ; João Gabriel Moreira da Silva ; Audirene Amorim Santana *;

Consultar afiliações no livro

DOI: doi.ordoi.org/10.53934/9786599539664-36

ISBN: 978-65-995396-6-4

Capítulo do livro: Ciência e Tecnologia de Alimentos: Pesquisas e Avanços

Fundada em 2020, a Agron tem como missão ajudar profissionais a terem experiências imersivas em ciência e tecnologia dos alimentos por meio de cursos e eventos, além das barreiras geográficas e sociais.

Deixe uma resposta