Back
Trabalhos publicados como capítulo de livro pela editora Agron Food Academy

VIVÊNCIA PRÁTICA NAS ÁREAS DE UNIDADE PRODUTORA DE REFEIÇÕES (UPR), NUTRIÇÃO E DIETÉTICA E SAÚDE COLETIVA: RELATO DE EXPERIÊNCIA

Maria Serafim Teixeira de Andrade1; Catherine Teixeira de Carvalho2; Isabelle de Lima Brito2

 

1Técnica em Nutrição e Dietética-CAVN-UFPB; E-mail:  [email protected] 2Docentes/pesquisadoras do Depto de Tecnologia Agroindustrial – DGTA– CCHSA – UFPB. E-mails:[email protected]/[email protected]

RESUMO: O técnico em nutrição e dietética tem como princípio básico fornecer apoio técnico ao nutricionista atuando no bem-estar do indivíduo e da coletividade nas diversas áreas de atuação. Diante do exposto, o presente trabalho teve como finalidade realizar um relato sobre as experiências técnico-científica vivenciadas nas três grandes áreas de atuação do técnico em nutrição e dietética durante a realização dos estágios supervisionados obrigatórios. As vivências práticas descritas foram realizadas na Creche Municipal Donzinha Bezerra, referente a Unidade Produtora de Refeições (UPR), no Hospital Municipal Dr. Clovis Bezerra Cavalcanti na área de Nutrição e Dietética (Clínica), ambos no município de Bananeiras e no Núcleo de Apoio à Saúde da Família (NASF) da cidade de Borborema, na área de saúde coletiva. As ações foram pautadas em visitas técnicas, capacitações, desenvolvimento de palestras, elaboração de material educativo e auxílio ao profissional nutricionista no atendimento nutricional. A experiência prática proporcionou uma maior percepção sobre o importante papel do técnico das diversas áreas da nutrição, bem como permitiu o desenvolvimento de habilidades, e competências, principalmente no cuidado individual ou coletivo como foi evidenciado nos estágios.

Palavras-chave: Habilidades; técnico em nutrição; estágio Supervisionado.

INTRODUÇÃO

Os cursos de nutrição foram criados no século XX em meio às mudanças econômicas, sociais, políticas e culturais que o Brasil enfrentava nessa época. Após diversos estudos e pesquisas na área, o médico argentino Pedro Escudero fundou a primeira escola de nutrição da América Latina e criou as leis da nutrição, descrita como a lei da quantidade, qualidade, harmonia e adequação, utilizadas ainda nos dias atuais (TOLOZA, 2009).

Com o desenvolvimento industrial, a profissão nutricionista foi regulamentada em 1967, porém o reconhecimento do técnico em nutrição e dietética aconteceu apenas em 1999, pelo Conselho Federal de Nutrição, Resolução de nº 333/2004, (BRASIL, 2004a), que desde então vem ganhando espaço e importância no contexto social e de saúde. O técnico em nutrição tem como princípio básico fornecer apoio técnico ao nutricionista atuando no bem-estar do indivíduo e da coletividade (VASCONCELOS; CALADO, 2011).

Desta forma para obtenção do título de Técnico em Nutrição e Dietética, é de caráter obrigatório a realização dos estágios supervisionados nas três grandes áreas da Nutrição. Diante do exposto, o objetivo deste trabalho foi realizar um relato sobre as experiências técnico-científica vivenciadas nas três grandes áreas de atuação do técnico em nutrição e dietética durante a realização dos estágios supervisionados obrigatórios em empresas e instituições que prestem assistência à saúde da população por meio da alimentação.

MATERIAL E MÉTODOS

 O referido trabalho é de caráter descritivo e as vivências práticas foram realizadas na Creche Municipal Donzinha Bezerra, referente a Unidade Produtora de Refeições (UPR), no Hospital Municipal Dr. Clovis Bezerra Cavalcanti na área de Nutrição e Dietética (Clínica), ambos no município de Bananeiras e no Núcleo de Apoio à Saúde da Família (NASF) da cidade de Borborema, na área de saúde coletiva.

Para realização das ações práticas propostas e desenvolvidas nas três grandes áreas da nutrição utilizou-se diagnóstico situacional por meio de visitas técnicas observacionais com acompanhamento das atividades diárias do profissional nutricionista, bem como atuação e verificação do funcionamento das unidades de nutrição.

As ações de intervenção foram distribuídas nas três grandes áreas de atuação da Nutrição e foram pautadas em visitas técnicas, capacitação quanto a aplicação da ficha de controle de estoque, apresentação de palestra para diversos públicos, elaboração e distribuição de material educativo e auxílio ao profissional nutricionista no atendimento clínico nutricional.

RELATO DE EXPERIÊNCIA

Foram realizadas no estágio em UPR, visitas técnicas no setor da merenda escolar nas áreas destinadas ao recebimento e distribuição dos itens alimentícios para realização de um diagnóstico observacional e ajuste no processamento de recebimento e distribuição da merenda por meio de capacitação com as merendeiras. Ainda foi desenvolvida uma ficha para controle de estoque como objetivo de organizar o armazenamento dos itens e facilitar o planejamento de compras (BRASIL, 2004b). Assim, foram separados os materiais de limpeza dos gêneros alimentícios, que se encontravam inicialmente no mesmo ambiente.

No estágio em Nutrição e Dietética foram realizadas visitas diárias aos pacientes internos e em observação no hospital para realização de anamnese nutricional. Para os pacientes que aguardavam na sala de espera foram realizadas aferição de medidas antropométricas (peso e altura) para avaliação nutricional, de acordo com Índice de Massa Corporal (IMC), além de uma palestra sobre escolhas alimentares e sua repercussão nas complicações da diabetes, hipertensão e dislipidemias, doenças mais prevalentes nos pacientes que buscavam a unidade, segundo pesquisa prévia realizadas nas fichas hospitalares do último mês. Ainda, foi confeccionado e distribuído um material educativo sobre o tema abordado na palestra. Estas atividades educativas de orientação para promoção da saúde apresentam grande importância, uma vez que possibilitam que a população assuma responsabilidades pelos atos relacionados à alimentação (BRASIL, 2012). Nesse contexto, a educação alimentar e nutricional apresenta-se como ações com papel de conscientizar a população sobre seus hábitos alimentares e contribuir para seu autocuidado (GALISA, 2014).

Quanto às experiências adquiridas no estágio de Saúde Coletiva, estas foram voltadas ao plano de ação nutricional para os idosos do Centro de Referência de Assistência Social (CRAS), em comemoração ao dia do idoso, festejado no dia 1º de outubro, quando são desenvolvidas diversas práticas de promoção à saúde nas unidades básicas de saúde (BRASIL, 2006). Assim, foi promovido no NASF, um encontro com 60 idosos para realização de uma palestra sobre hábitos alimentares saudáveis na fase idosa, a importância de se entender os rótulos dos alimentos, os perigos relacionados ao consumo dos industrializados e sua associação ao surgimento de doenças. Foram utilizados como materiais didáticos uma pirâmide alimentar, slides e um banner sobre os temas abordados. Ao final da atividade foi entregue uma cartilha contendo informações sobre o valor nutricional das diversas partes dos alimentos, incluindo as não convencionais que são normalmente ricas em diversos nutrientes relevantes e que muitas vezes são descartadas. No material também continham receitas com a proposta de aproveitamento integral dos alimentos, a fim de estimular hábitos alimentares saudáveis e propor alternativas que agreguem valor nutricional aos alimentos consumidos, diminuir o desperdício e promover a autonomia para o autocuidado, conforme orientado no Guia Alimentar atual (BRASIL, 2014).

As experiências vividas nos estágios supervisionados foram de suma importância para formação profissional, uma vez que foram aplicados muitos dos conhecimentos adquiridos em sala de aula, além de possibilitar ao estagiário conhecer de perto a realidade e as limitações de diversas realidades inerentes ao exercício da profissão.

CONCLUSÕES

O técnico em nutrição e dietética é um profissional importante e considerado muito versátil diante de tantas atribuições que ele pode atuar em apoio ao nutricionista. Assim, as experiências desenvolvidas permitem a aquisição e aperfeiçoamento de conhecimentos, além da teoria em sala de aula, bem como, proporcionaram desenvolvimento de responsabilidades e habilidades, principalmente no cuidado individual ou coletivo, muito bem evidenciado nos estágios.

AGRADECIMENTOS

Sempre temos motivos grandiosos para agradecer, primeiramente a Deus pelo dom da vida e do conhecimento. A UFPB e ao CAVN que disponibilizaram toda estrutura para realização do Curso Técnico em Nutrição e Dietética e pela realização deste evento. Também aos idealizadores pelo II Encontro on-line do Técnico em Nutrição e Dietética. Aos amigos e familiares pelo apoio diário.

REFERÊNCIAS

BRASIL, Conselho Federal de Nutricionistas. Resolução Nº 333, de 03 de Fevereiro de 2004. Dispõe sobre o Código de Ética Profissional dos Técnicos em Nutrição e Dietética e dá outras providências, 2004a;

________. Ministério da Saúde. Resolução RDC nº 216, de 15 de setembro de 2004. Aprova o regulamento técnico de boas práticas para serviços de alimentação. Diário Oficial da União, Brasília, 2004b.

________. Lei nº 2.528, de 19 de outubro de 2006. Aprova a Política Nacional de Saúde da Pessoa Idosa. Brasília, DF, 19 out. 2006.

________. Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome. Secretaria Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional. Marco de Referência de Educação Alimentar e Nutricional para as Políticas Públicas. Brasília-DF: Ministério da Saúde, 2012.

_______. Ministério da Saúde. Guia alimentar para a população brasileira: promovendo a alimentação saudável, Brasília, 2014.

GALISA. N. G. C. Educação Alimentar e Nutricional. Editora Roca, 2014.

TOLOZA, D. C. Nutricionista: um histórico da profissão até os dias atuais. Monografia (especialização). Universidade de Brasília. Centro de excelência em turismo. Brasília, 2009.

VASCONCELOS, F. A. G.; CALADO. C. L. A. Profissão nutricionista: 70 anos de história no Brasil. Revista de Nutrição. v. 24, n. 4, p. 605-617, 2011.

Leave A Reply