PRODUÇÃO E APLICAÇÕES ALIMENTARES DA FARINHA DE RESÍDUOS DA ACEROLA: UMA REVISÃO

Resumo: A acerola é uma fruta climatérica e tropical, apresenta um alto teor de vitamina C e seu cultivo é favorável nas regiões do Nordeste e Sudeste. Devido à crescente expansão da fruticultura no Brasil e no mundo, assim como do setor de processamento de frutas, é crescente a geração de resíduos, que em alguns casos pode se aproximar a 40%, dependendo da fruta. Diante disso, foi desenvolvido o presente estudo com o objetivo de realizar uma revisão sistemática da literatura sobre a produção da farinha de resíduos da acerola e a produção de alimentos. Foi realizado por meio de pesquisas nas bases de dados Google Acadêmico, SciELO e Periódicos Capes. Utilizou-se os termos “resíduos de acerola”, “farinha de resíduos da acerola”, “aproveitamento integral da acerola”, “aproveitamento integral”, “Malpighia Emarginata”, “resíduos agroindustriais” combinados em português e inglês. Foram encontrados 343 artigos para análise de título, palavras-chaves, resumo e metodologia. Logo após avaliação criteriosa e objetiva, apenas 5 artigos estavam dentro dos critérios de inclusão da pesquisa, seguido da leitura completa, extração dos dados e análise dos resultados e conclusões. Observou-se que a farinha dos resíduos de acerola pode ser inserida na panificação para a produção de cookies, bolos e barras de cereais, como também em bebidas do tipo shake e licor, com bons resultados físico-químicos, microbiológicos e sensoriais. Conclui-se que os produtos alimentícios elaborados com os resíduos da acerola trazem benefícios aos consumidores, agregando valor nutricional.

Autores: Jéssica de Araújo Silva1; Ysabele Yngrydh Valente Silva2; Séfura Maria Assis Moura3

Consultar afiliações no livro

DOI: https://doi.org/10.53934/9786599539657-27

Capítulo do livro:

PESQUISAS E ATUALIZAÇÕES EM CIÊNCIA DOS ALIMENTOS

Fundada em 2020, a Agron tem como missão ajudar profissionais a terem experiências imersivas em ciência e tecnologia dos alimentos por meio de cursos e eventos, além das barreiras geográficas e sociais.

Deixe uma resposta