PROSPECÇÃO TECNOLÓGICA DO LEVEDO COMO RESÍDUO DA INDÚSTRIA CERVEJEIRA

Resumo: A indústria cervejeira tem crescido com o passar dos últimos anos e, consequentemente, os resíduos das leveduras do gênero Saccharomyces, utilizadas na fermentação da bebida, também aumentam no mesmo sentido. Uma vez que esse subproduto apresenta diversas propriedades de interesse nos mais diferentes setores industriais, um mapeamento tecnológico foi realizado nas bases de dados Escritório Europeu de Patentes (EPO), o Espacenet, para o levantamento de documentos patentários de mais de 90 países e do Instituto Nacional de Propriedade Industrial (INPI), a fim de obter uma visão do panorama nacional. Os resultados mostraram que a levedura de cerveja possui patentes depositadas com aplicações nos setores industriais de química, saúde, cosméticos, agropecuária e alimentos. Verificou-se que o subproduto apresenta uma maior aplicação no próprio ramo de alimentos – como, por exemplo, na panificação e na indústria de bebidas –, ocupando 51% dos documentos patentários extraídos; 31% no setor de química – tal como no tratamento de efluentes e na produção de biocombustíveis – e uma parcela inferior a 20% nos demais setores – como na formulação de produtos de beleza e ração animal. China, Japão e Estados Unidos destacaram-se tanto por serem os países com maior número de patentes publicadas, quanto como os principais depositantes, evidenciando que os países desenvolvidos ainda são os maiores detentores dessas tecnologias. No Brasil, por outro lado, há poucas invenções relacionadas ao tema, sendo as universidades públicas os únicos depositantes nacionais.

Autores: Allan Pereira Barboza Gomes1; Ricardo Schmitz Ongaratto2

Consultar afiliações no livro

DOI: https://doi.org/10.53934/9786599539657-109

Capítulo do livro:

PESQUISAS E ATUALIZAÇÕES EM CIÊNCIA DOS ALIMENTOS

Fundada em 2020, a Agron tem como missão ajudar profissionais a terem experiências imersivas em ciência e tecnologia dos alimentos por meio de cursos e eventos, além das barreiras geográficas e sociais.

Deixe uma resposta