Back

Pesquisadores desenvolveram biosensor capaz de detectar a micotoxina patulina

Os testes foram animadores na detecção rápida da toxina fúngica patulina em amostras de suco de maçã

Atualmente, a possível contaminação por “Toxinas fúngicas ou micotoxinas” é uma preocupação de segurança alimentar e de saúde humana. Além da preocupação com a saúde do consumidor, sua presença pode levar a perdas econômicas significativas para produtores e consumidores internacionais de alimentos.

A patulina é uma micotoxina produzida naturalmente por vários fungos, incluindo AspergillusPenicillium e Byssochlamys, que comumente crescem em frutas, vegetais crus e produtos à base de frutas processados ​​e não processados. Os efeitos mais deletérios de sua ingestão por humanos são edema, ulceração intestinal, inflamação, vômito e degeneração das células epiteliais.

Tendo em vista que são necessárias técnicas de detecção que possam determinar rapidamente seu nível em alimentos, cientistas do Instituto Nacional de Empreendedorismo e Gestão de Tecnologia de Alimentos (NIFTEM), Índia, publicaram um trabalho intitulado: Bioreceptor-free, sensitive and rapid electrochemical detection of patulin fungal toxin, using a reduced graphene. O principal objetivo do trabalho foi sintetizar um composto reduzido de óxido de grafeno/óxido de estanho (rGO/SnO2) para a detecção eletroquímica de contaminante fúngico, patulina, sem a necessidade de um receptor biológico ou químico ou anticorpos específicos.

Representação esquemática da fabricação do nanocompósito rGO/SnO 
2 e seu sensoriamento eletroquímico de PAT.

Os resultados foram animadores! A sintese do nanocompósito rGO/SnO2 foi realizada com sucesso, e foi possível eliminar a necessidade de processos de extração e limpeza na detecção da micotoxina em suco de maçã e, mesmo contendo substâncias interferentes, foi possível detectar a patulina. Concluindo que o novo sensor fornece um meio simples e sensível de detecção da micotoxina podendo ser utilizado para os setores agrícola, alimentar e para aplicações biomédicas, sendo um método mais econômico do que os ensaios enzimáticos.

Os dados completos podem ser conferidos nas referências. Gostou do conteúdo? Leia mais no nosso Blog!

Referência: SHUKLA, Shruti et al. Detecção eletroquímica rápida, sensível e sem biorreceptores da toxina fúngica patulina, usando um nanocompósito de óxido de grafeno reduzido@SnO2. Ciência e Engenharia de Materiais: C , v. 113, p. 110916, 2020. https://doi.org/10.1016/j.msec.2020.110916

Fundada em 2020, a Agron tem como missão ajudar profissionais a terem experiências imersivas em ciência e tecnologia dos alimentos por meio de cursos e eventos, além das barreiras geográficas e sociais.

Leave A Reply