Back

Sorvete com medicamento ajuda na redução da dor da extração de dente

A ideia foi juntar o alimento gelado com analgésico, indicados no processo de extração de dentes, para melhorar a aceitação das crianças ao medicamento

Segundo o portal G1, pesquisadores de Palmas desenvolveram um sorvete adicionado de analgésico, indicado para pessoas que precisam extrair dentes. O objetivo foi juntar o analgésico, que normalmente é prescrito pelos dentistas quando são realizadas extrações de dentes, com o alimento gelado que também é indicado durante tratamentos odontológicos.

O desenvolvimento do sorvete é pensado principalmente nas crianças, que têm mais dificuldade de ingerir o analgésico amargo. O sabor do sorvete é de chocolate, pois, segundo a pesquisadora responsável, como os analgésicos são amargos, sabores que têm residual amargo ajudam a mascarar o sabor do fármaco.

O sorvete terapêutico é desenvolvido desde 2018 por professores e alunos do curso de farmácia do Centro Universitário Luterano de Palmas (Ceulp-Ulbra) e está em fase de testes. Os testes são feitos no laboratório de odontologia, com crianças de 6 a 9 anos que levam 8 potes de sorvete quando fazem o processo de extração de dente.

Até agora, os testes foram bem sucedidos, melhorando a aceitação do analgésico por parte dos pacientes.

Confira mais sobre a pesquisa e o vídeo no portal G1.

Referência:

  1. Pesquisadores desenvolvem sorvete com medicamento para ajudar crianças que precisam extrair dentes [Internet]. 2021 [acesso em 2021 Out 1]. Disponível em: https://g1.globo.com/to/tocantins/noticia/2021/09/26/pesquisadores-desenvolvem-sorvete-com-medicamento-para-criancas-que-precisam-extrair-dentes.ghtml

Graduada em Ciências Físicas e Biomoleculares pela Universidade de São Paulo – USP (2017). Durante a graduação, trabalhou com expressão, purificação e caracterização biofísica de proteínas, e na área de terapia fotodinâmica aplicada à inativação de microrganismos. Atualmente, é mestranda em Biotecnologia pela Universidade Federal de São Carlos –UFSCar, trabalhando no desenvolvimento de filmes e fitas de frutas comestíveis como veículos para probióticos.

Deixe uma resposta