ESTUDO DAS PRINCIPAIS TÉCNICAS ANALÍTICAS UTILIZADAS NA DETERMINAÇÃO DE CAFEÍNA

Resumo: O cafeeiro é uma das culturas que mais destaca-se no cenário brasileiro e mundial pela qualidade da bebida. Entre os principais fatores do sucesso do café está a presença da cafeína, uma substância psicoativa presente em diferentes partes da planta. O consumo mundial per capita de cafeína, é da ordem de 3 a 7 mg/kg/dia, ou seja, aproximadamente 200 mg ou duas xícaras de café por dia, e mostram, ainda, que esse consumo per capita mg/kg/dia está aumentando, em detrimento ao aumento das atividades mentais e físicas durante o dia que se estendem durante algumas horas da noite. Para a quantificação dessa sustância envolve etapas preliminares de extração para que seja realizada uma análise laboratorial confiável. Assim, neste trabalho foi realizada uma revisão bibliográfica para conhecer as principais técnicas de extração e quantificação da cafeína. Estudos recentes têm demonstrado que o manejo dos frutos da pós-colheita favorece controle de qualidades sensoriais e, consequentemente, obtenção de melhor preço do café. Após os estudos realizados, analisou-se as vantagens e desvantagens de sete técnicas analíticas que tem sido utilizada nas análises de cafeína e outros componentes do cafezeiro. Portanto, após o fim do isolamento social, no retorno às atividades presenciais, serão quantificados os teores de cafeína nos 26 de genótipos de café arábica implantados no banco germoplasma de cafeeiro do Instituto Federal Goiano – Campus Morrinhos.

Autores:  Rodrigo Vieira da Silva ; Brenda Ventura de Lima ; Larissa Dias Ferreira da Silva ; Pedro Augusto Felicio Neves ; Cinthia Maria Felicio ; Pedro Henrique Isaias ; Giovana Cândida Marques

Consultar afiliações no livro

DOI: doi.ordoi.org/10.53934/9786599539664-4

ISBN: 978-65-995396-6-4

Capítulo do livro: Ciência e Tecnologia de Alimentos: Pesquisas e Avanços

Fundada em 2020, a Agron tem como missão ajudar profissionais a terem experiências imersivas em ciência e tecnologia dos alimentos por meio de cursos e eventos, além das barreiras geográficas e sociais.

Deixe uma resposta