DOSES DE FÓSFORO E INOCULAÇÃO COM Bradyrhizobium NAS CARACTERÍSTICAS AGRONÔMICAS DO FEIJÃO-CAUPI

Resumo: O feijão-caupi é considerado uma das leguminosas mais cultivadas no mundo, sendo importante fonte de proteína para a alimentação humana. Uma prática crescente nos últimos anos é o uso de inoculantes com estirpes de bactérias do gênero Rhizobium, as quais intervêm na fixação do nitrogênio atmosférico ao solo pelas leguminosas. Objetivou-se com este trabalho avaliar a interação entre diferentes doses de fósforo adicionadas ao solo e ausência e presença de inoculação com bactérias do gênero Bradyrhizobium na cultura do feijão-caupi, em Arinos-MG. O experimento foi conduzido em vasos com capacidade de 12 L. O delineamento experimental utilizado foi em blocos ao acaso no esquema fatorial 4 x 2, com seis repetições, sendo os tratamentos do Fator A constituídos pelas seguintes doses: 0, 45, 90 e 180 kg ha-1 de P2O5, aplicados ao solo, e do Fator B: ausência e presença de inoculação com Bradyrhizobium japonicum estirpe 3262. Foram avaliadas as características alométricas e produtivas: vagens por planta, número de grãos por vagem, o comprimento de vagem, massa de cem grãos, massa seca da raiz e a produtividade de grãos. Não houve interação entre os fatores estudados, apenas efeito isolado nas variáveis analisadas. As doses de P influenciaram todas as variáveis em estudo, enquanto que, os tratamentos sem ou com inoculação influenciaram apenas o número de vagem por planta e a produtividade. A dose de fósforo com máxima eficiência econômica foi de 164,64 kg ha-1 de P2O5, resultando em produtividade média de 3650 kg ha-1 de grãos de feijão-caupi.

Autores: Jorge Bleno da Silva Verssiani; Marco Antônio da Silva Verssiani; Inácio Barbosa Borges, Alisson Macendo Amaral, Tainara da Silva Caixeta

DOI: https://doi.org/10.53934/9786599539633-3

Capítulo do livro:

Produção Animal e Vegetal: Inovações e Atualidades

Fundada em 2020, a Agron tem como missão ajudar profissionais a terem experiências imersivas em ciência e tecnologia dos alimentos por meio de cursos e eventos, além das barreiras geográficas e sociais.

Deixe uma resposta